Impressões de leitura#14: A guerra não tem rosto de mulher…

“Não estou escrevendo sobre a guerra, mas sobre o ser humano na guerra. Não estou escrevendo a história de uma guerra, mas a história dos sentimentos. Sou uma historiadora da alma.” (Svetlana Aleksiévitch)”

rosto de mulher2018 começou bem, já no primeiro mês do ano tive o prazer de fazer uma ótima leitura: A guerra não tem rosto de mulher da escritora Svetlana Aleksiévitch, livro publicado originalmente em 1985. No Brasil foi publicado em 2016 pela Companhia das Letras.
A guerra não tem rosto de mulher traz relatos reais de mulheres soviéticas que estiveram na linha de frente durante a Segunda Guerra Mundial.
Este livro é diferente de qualquer outro acerca desse tema que eu já li, porque ele mostra a batalha das mulheres, a guerra contada a partir do ponto de vista feminino.
Bem no início ficamos sabendo que a União Soviética enviou aproximadamente 1 milhão de mulheres para lutar na Segunda Guerra Mundial, o dobro que a Alemanha enviou, por exemplo. Então, o que Svetlana faz é nos apresentar algumas dessas mulheres, permitindo-nos conhecer a história de vida de cada uma delas.

A autora dedicou-se durante anos a colher depoimentos de ex-combatentes – não sem muitas dificuldades – pois muitas delas mesmo quase quarenta anos após o fim da guerra não se sentiam à vontade para falar abertamente sobre o assunto. Quando elas começam a contar, Svetlana percebe que narram uma história completamente distinta da história masculina: elas falam de violência, de dor, de sangue,  de lágrimas, mas falam também acerca do amor, da amizade, de sabores, de cores, de música, de flores… Na guerra, apesar de lutarem, exercerem atividades militares perigosas, apesar de usarem roupas de homem e corte de cabelo masculino, o feminino delas está sempre lá, camuflado, mas sempre presente.

 

“Eram necessários soldados… Mas também queríamos ser bonitas.”

 

Chama muito a atenção o fato de que essas mulheres não se sentiam cômodas o suficiente para falar abertamente sobre a guerra. A autora diz que os relatos delas variavam e dependiam muito de quem estava presente no momento em que contavam suas memórias. As próprias mulheres assumiram que os maridos não permitiam que elas chorassem, eles diziam que elas não podiam “florear” a história. Elas afirmaram também que na noite anterior ao encontro com a autora receberam aulas de História e Geografia para que pudessem falar o que de fato ocorreu, ou seja, para que elas pudessem contar a guerra deles, a guerra dos homens, a que eles consideravam verdadeira e relevante… Elas só conseguiram se libertar do tabu que a guerra se transformou quando se perceberam longe dos olhares masculinos.
Alguns homens também sentiram-se ofendidos e diminuídos por Svetlana ouvir  e contar a história das mulheres, por isso questionaram:

 

“Por acaso falta homem para isso? Para que você quer essas histórias de mulher? Fantasias de mulher…
Guerra é coisa de homem. O que foi, por acaso tem pouco homem sobre quem escrever no seu livro?”
Os homens tinham medo de que elas não contassem direito a guerra.

 

O livro é triste não apenas por tratar de um tema que dói, mas porque percebemos que essas mulheres, que foram de suma importância para sua pátria, não tiveram seu valor reconhecido e valorizado. Os homens quando voltaram da guerra foram recebidos como heróis, foram ouvidos, puderam falar à vontade, contar suas experiências e seus feitos heróicos. Já as mulheres, porém, foram obrigadas a calar. Seu trabalho, tão importante para o desfecho da batalha, não foi valorizado como deveria. Elas sofreram preconceitos pelos veteranos de guerra quando chegaram no campo de batalha e sofreram preconceitos quando deixaram a batalha, até mesmo pelas próprias mulheres, que achavam que elas haviam ido para a guerra para se prostituir, por isso precisaram silenciar para não envergonhar a família. A vida delas foi triste no decorrer da guerra e para muitas continuou triste depois.

 

“Fique calada! Fique calada! Não confesse!

 

A guerra para essas mulheres foi algo com o qual elas sempre conviveram. Desde crianças ouviram histórias de grandes batalhas, viram seus pais, tios e irmãos se preparando para lutar, portanto, cresceram com o desejo de também defender a pátria. A guerra não tem rosto de mulher é um livro que retrata muito bem o “ser patriótico,” como a própria autora diz, os soviéticos consideravam-se todos “Filhos da Vitória.”

O livro de Svetlana tem a guerra como pano de fundo, mas ela diz escrever, sobretudo, sobre a história da alma humana, a história dos sentimentos… e é exatamente isso que lemos nessas 392 páginas: a história dos sentimentos dessas mulheres, a história da alma dessas mulheres, percebemos que elas humanizam a guerra, pois seus relatos, de uma certa forma, aproximam e igualam todos os seres vivos, até mesmo aqueles que embora alheios aos acontecimentos também sofriam os horrores da guerra.

 

“Lembro como as pessoas gritavam… As vacas gritavam… As galinhas gritavam… Eu achava… Eu achava que todos gritavam… Eu achava que todos gritavam com voz de gente. Tudo o que era vivo.”

 

Antes de ler o livro de Svetlana eu tinha uma ideia bastante equivocada sobre as mulheres que foram enviadas para o campo de batalha. Sempre achei que elas receberam incumbências mais compatíveis com o gênero feminino, como por exemplo, enfermeiras, cozinheiras, lavadeiras, médicas. Mas não, elas foram enviadas para exercer também atividades consideradas masculinas, como soldados de infantaria, francoatiradoras, comandantes de canhão antiaéreo, pilotos, atiradoras de fuzil, tanquistas, sapadoras… A autora diz, inclusive, que durante a guerra houve até um problema linguístico, pois naquela época não haviam termos que designassem essas profissões no gênero feminino; ela conta que foi durante a guerra que esses termos surgiram.

Outro ponto interessante é saber que nem todas as mulheres foram convocadas oficialmente, a maioria delas foi pelo simples fato de desejar servir a Pátria. Algumas, inclusive, fugiram de casa para se alistar, meninas muito jovens, adolescentes entre 16 e 18 anos.

O que Svetlana busca nos mostrar com esses relatos não é apenas como essas mulheres venceram, quais foram os seus feitos heróicos, quantas medalhas e condecorações receberam, quais foram as estratégias utilizadas e quantos inimigos cada uma conseguiu abater. O que ela compartilha conosco é o sentimento mais genuíno dessas mulheres, o que elas sentiram e ainda guardam dentro de si. A autora nos mostra que apesar de tudo elas não perderam a capacidade de se comover, de se emocionar… e falam, a todo momento, sobre o amor e o respeito que se deve ter em relação ao ser humano.

 

“O caminho é um só: amar o ser humano. Compreendê-lo pelo amor.”

 

Svetlana conseguiu dar voz a essas mulheres que, de igual pra igual, lutaram na mesma batalha que os homens, mas que após a vitória foram preteridas, condenadas ao papel de coadjuvantes.

A leitura é muito forte e dolorida, não é um livro que eu li de uma sentada, precisei fazer pausas e mais pausas para poder digerir o assunto e aliviar o coração. É uma leitura que perturba e fica martelando dentro da gente.

 

Sobre a autora:
Svetlana Aleksiévitch é uma jornalista e escritora nascida na Ucrânia em 1948. Recebeu o Nobel de Literatura em 2015.

svetlana

Impressões de leitura #13: O livro dos abraços

“Quando é verdadeira, quando nasce da necessidade de dizer, a voz humana não encontra quem a detenha. Se lhe negam a boca, ela fala pelas mãos, ou pelos olhos, ou pelos poros, ou por onde for. Porque todos, todos temos algo a dizer aos outros, alguma coisa, alguma palavra que merece ser celebrada ou perdoada.”

 

abrazos2O Livro dos abraços enganou-me. Com seu belo título, de uma doçura sem igual, levou-me a pensar que se tratasse de uma novela romântica, meio água com açúcar. Engano mesmo, minha gente, pois o que Galeano oferece ao leitor é muito mais que isso… ele nos brinda com pequenos relatos que se encarregam de contar grandes histórias: histórias de dores, histórias de lutas, histórias de amores e de sobrevivência. Embora a maioria desses relatos esteja relacionado à política na época da ditadura no Uruguai, eles discorrem também sobre o amor, sobre a velhice, sobre o medo, sobre religião e sobre amenidades da vida.

O autor nos presenteia ainda com casos de sua própria vida na época em que ficou exilado na Espanha, mas fala também acerca de outras pessoas: famosas ou anônimas, queridas ou odiadas, admiradas ou ignoradas e, cada uma delas, à sua maneira, é relevante e pertinente para a obra.

Não é por Galeano tratar de assuntos sérios que sua escrita é seca, ao contrário, a cada pequeno relato tive a sensação de ser abraçada… abraçada por sua sensibilidade em enxergar beleza nas pequenas coisas, abraçada por sua capacidade de ver a vida a partir de diferentes ângulos, abraçada por sua escrita tão certeira, tão firme e, ao mesmo tempo, tão poética e linda.

Poderia ficar por horas mencionando os sentimentos variados que O Livro dos Abraços me proporcionou, no entanto, prefiro citar este trecho da obra – que diz muito mais que qualquer coisa que eu pudesse escrever aqui:

 

O mundo é isso, um montão de gente, um mar de fogueirinhas. Cada pessoa brilha com luz própria entre todas as outras. Não existem duas fogueiras iguais. Existem fogueiras grandes e fogueiras pequenas e fogueiras de todas as cores. Existe gente de fogo sereno, que nem percebe o vento, e gente de fogo louco, que enche o ar de chispas. Alguns fogos, fogos bobos, não alumiam nem queimam; mas outros incendeiam a vida com tamanha vontade que é impossível olhar para eles sem pestanejar, e quem chegar perto pega fogo.

Sobre o autor:
Transcrevo um relato do livro no qual ele mesmo se apresenta:

20a13-eduardo-galeano

 

“Assino Galeano, que é meu sobrenome materno, desde os tempos em que comecei a escrever. Isto aconteceu quando eu tinha dezenove anos, ou talvez apenas alguns dias, porque chamar-me assim foi um modo de nascer de novo.

Antes, quando era garoto e publicava desenhos, assinava Gius, por causa da difícil pronúncia espanhola de meu sobrenome paterno (meu tataravô galês se chamava Hughes, e aos quinze anos fez-se ao mar no porto de Liverpool e chegou ao Caribe, à República Dominicana, e tempos depois ao Rio de Janeiro, e finalmente a Montevidéu. Em Montevidéu atirou ao arroio Miquelete seu anel de maçom, e nos campos de Paysandú cravou as primeiras cercas de arame farpado e fez-se dono de terras e gentes, e morreu há mais de um século, enquanto traduzia Martin Fierro para o inglês).

Ao longo dos anos escutei as mais diferentes versões sobre essa questão de meu sobrenome escolhido. A versão mais boba, que ofende a inteligência, me atribui uma intenção antiimperalista. A versão mais cômica supõe fins de conspiração ou contrabando. E a versão mais fodida me converte na ovelha vermelha da família: inventa para mim um pai inimigo e oligárquico, no lugar do pai real que tenho, que é um sujeito bacana que sempre ganhou a vida com o trabalho ou com a boa sorte que tem na loteria.

O pintor japonês Hokusai mudou de nome sessenta vezes para celebrar seus sessenta nascimentos. No Uruguai, um país formal, teria sido enjaulado como louco ou perverso simulador de identidades.”

Uma lenda chinesa…

“Jingwei aterra o mar”

JingweiO deus Sol tinha uma filha muito amada, Nüwa, tão linda que até mesmo o Imperador Amarelo era cheio de admiração por ela. Quando o deus Sol não estava em casa, Nüwa brincava sozinha. Porém, ela queria muito que o pai a levasse consigo em suas viagens para o mar do Leste, onde o sol nasce.
O deus Sol, entretanto, estava todos os dias muito ocupado dirigindo o curso da aurora, a cada manhã, até ele se pôr, à noite, e não podia levar a filha consigo.
Um dia, Nüwa remou secretamente atrás do pai, num barco, mas infelizmente uma tempestade se levantou e ondas do tamanho de montanhas viraram a pequena embarcação. Nüwa foi engolida pelo cruel mar, para nunca mais voltar.

Seu pai foi tomado de tristeza, incapaz de mandar que os raios de sol brilhassem sobre ela e a trouxessem de volta à vida, ele foi deixado sozinho para prantear a sua perda. Entretanto, Nüwa renasceu como um pássaro de cabeça listrada, garras vermelhas e bico branco. Foi-lhe dado o nome de Jing-Wei, por causa de seu choro lamentoso: jingwei, jingwei.

Jingwei não conseguiu perdoar a crueldade do mar por ter lhe arrebatado sua jovem vida e prometeu vingança. Ela aterraria o mar e o transformaria em terra seca. Jingwei começou a catar seixos com o bico, voando de um lado para o outro, entre sua casa na montanha de Fajiu e o mar do Leste. Incontáveis vezes ela fez a viagem, carregando   um seixo ou um graveto por vez, voejando sobre as ondas irregulares e chorando lamentosamente, então deixando cair o que fosse que houvesse trazido. O mar encapelava-se e ribombava derramando escárnio sobre os esforços de Jingwei.

 

Pequeno pássaro, desista! Mesmo se trabalhar por um milhão de anos você nunca vai me transformar numa planície deserta!
Mas Jingwei respondia, lá do alto do céu: Mesmo que eu leve dez milhões de anos ou cem milhões de anos, até o final do mundo, vou tratar de aterrá-lo e fazer de você terra seca!
Por que me odeia tanto?, perguntou o mar.
Porque você roubou minha jovem vida e vai fazer o mesmo com outros jovens inocentes. Vou continuar pelo tempo que for necessário, até terminar meu trabalho.

 

E lá se foi ela para o alto gritando jingwei, jingwei, e dirigiu-se à montanha Fajiu para buscar mais seixos e gravetos. Para lá e para cá ela voou incansável, derrubando mais e mais gravetos no mar. Meses e anos se passaram até que um dia uma andorinha-do-mar apareceu. Ela ficou estupefata com o que o outro pássaro estava fazendo. Mas quando ouviu a história de Jingwei, a andorinha-do-mar comoveu-se com sua persistência. Eles se casaram e chocaram uma bela ninhada de filhotes – os machos puxaram o pai andorinha-do-mar, enquanto as fêmeas puxaram à mãe, Jingwei, e juntaram-se a ela na interminável tarefa de buscar seixos e gravetos para aterrar o mar.

Os chineses respeitam enormemente Jingwei por seu altruísmo, sua determinação férrea e sua força de vontade. Tao Yuamming, poeta da dinastia Ming, celebrou em versos a brava luta daquele pequeno pássaro contra as ondas do oceano, e a história se tornou sinônimo de idealismo invencível e de empenho árduo. A admiração das pessoas simples por Jingwei pode ser vista em vários monumentos a ela dedicados, que levam inscrições como “Jingwei aterra o mar”, que ainda podem ser vistos em vários locais às margens da costa leste da China.

** História retirada de Mensagem de uma mãe chinesa desconhecida, da escritora Xinran. Livro tristíssimo que me fez chorar um bocado.
Desejo que em 2018 tenhamos todos pelo menos um pouquinho da persistência e força de vontade de Jingwei. 🙂